Paciente Piorou quando devia melhorar - Reação Terapêutica N

Baseado em 10 avaliações
  • 654 Alunos matriculados
  • 02 Horas de duração
  • 2 Aulas
  • 1 Módulos
  • 1 Avaliação
  • Certificado de conclusão
ASSINE JÁ

Obtenha acesso a este e outros cursos


"Foi muito bom aprender novos conceitos e ter contato com diferentes pontos de vista. O explanador sempre deixa muito claro que tudo é uma construção e com o amadurecimento vamos mudando nossa forma de entender e avaliar o comportamento humano. Gostei muito de participar da aula. Vou estudar outros tópicos abordados pelo palestrante."
Antonio Marcos Vanzeli
mais avaliações

Aula em vídeo de 2h13 minutos. Acompanha roteiro de aula para ser baixado em formado Word.

Assista em seu computador, Tablet ou Smartphone, onde e quando quiser. A partir do momento da compra você tem 1 ano para assistir esta aula.

Bibliografia

Fundamentos da Técnica Psicanalítica

Reação terapêutica negativa e sentimento de culpa

  • Entre as possíveis estratégias do ego para evitar a angústia depressiva, três se destacam. São elas: O acting out; a Reação Terapêutica negativa (RTN) e a Reversão de Perspectiva.

  • Na presente aula, estudaremos a R. T. N.

  • A reação terapêutica negativa se caracteriza por uma piora paradoxal no estado do paciente. Em outras palavras, o paciente piora quando devia melhorar.

  • Por que alguns pacientes não aceitam, não gostam de escutar palavras que se referem ao seu progresso, ou que lhe servem de algum modo para lhes incentivar?

  • Qual a relação da R.T.N. e o superego?

  • Qual a relação da R.T.N. e o sentimento de culpa?

  • Qual a relação da R.T.N. e o masoquismo do ego?

  • Qual a relação da R.T.N. e o instinto de morte?

  • Qual a relação da R.T.N. e o sucesso da análise?

  • Qual a relação da R.T.N. e o narcisismo?

  • Qual a relação da R.T.N. e a inveja?

  • R.T.N. e posição depressiva.

  • A finalidade da R.T.N. é negar a catástrofe depressiva.

  • R.T.N. em Freud, Abraham, Joan Riviere, Karen Horney e Melanie Klein.

    O ataque invejoso oculto na R.T.N.

  • A relação da R.T.N. com o insight, a elaboração, a reversão de perspectiva e o acting out.

  • As consequências das defesas maníacas e dos ataques maníacos para a manutenção da R.T.N.

  • R.T.N. e sua relação com os processos traumáticos de separações e rupturas.

  • R.T.N.  e transferência negativa

Manejo clínico

A crítica invejosa

  • Como lidar com a crítica invejosa?

  • Devemos interpretar a inveja diretamente?

  • O que interpretar?

  • A importância de não adentrar o ciclo de rivalidade e como não fazer isso.

  • O ponto central não é a interpretação, mas suportar os ataques invejosos.

  • A relação entre R.T.N.  e dependência e como isso afeta a clínica.

  • A RTN pode passar despercebida; é preciso atenção para detectá-la.

  • Segundo Klein, a crítica de um paciente a uma interpretação que lhe trouxe auxílio, ainda que faça sentido, tem elementos de RTN.

  • Como lidar com as seguintes manifestações da R.T.N. ? O paciente reconhece o alívio e é evidente que teve um insight, e em seguida ele:

    • lamenta que o analista não tenha dito isso antes;

    • ou reclama da forma como foi dito;

    • ou acrescenta algo que acredita que o analista deveria ter visto;

    • ou finge que não escuta e depois apresenta a solução como se fosse sua.

  • Tudo isso é fruto da RTN e da inveja.

  • Quais são os dois perigos diante de uma crítica do paciente?

    A confusão como indicador de R.T.N. .

  • O analista tem que ter muito cuidado, pois a teoria da inveja pode levar o analista a negar suas falhas.

  • O que caracteriza a R. T. N. é o fato de ela ser um fenômeno paradoxal. O paciente piora após uma melhora; destruindo, assim, o ganho.

  • Existe outro fenômeno paradoxal, mas contrário. Esse fenômeno poderia ser chamado de “reação iatrogênica positiva”. O que é isso e como lidar com ele?

Psicólogos.

Guilherme Magnoler Guedes de Azevedo
"Psicólogo CRP 06/70116.. Sócio e fundador da Livraria do Psicanalista e do Instituto de Estudos Psicanalíticos de Bauru. "

   

Psicólogo CRP 06/70116. Sócio e fundador da Livraria do Psicanalista e do Instituto de Estudos Psicanalíticos de Bauru. Mestre em Psicologia do Desenvolvimento e Saúde UNESP - Bauru. Psicólogo Clínico.

Confira algumas dúvidas mais comuns sobre a emissão e validade do certificado: 

- Meu certificado emitido através deste site tem validação do MEC? 

Os cursos autorizados pelo MEC são de Graduação e Pós-Graduação e as Secretárias Estaduais de Edução autorizam cursos técnicos profissionalizantes e do ensino médio. Cursos online são classificados, por lei, como cursos livres de atualização ou qualificação, ou seja, não se qualifica como graduação, pós-graduação ou técnico profissionalizante. 

Os Cursos Livres, passaram a integrar a Educação Profissional, como Nível Básico após a Lei nº 9.394 - Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Essa é uma modalidade de educação não-formal com duração variável, a fim de proporcionar conhecimentos que permitam atualizar-se para o trabalho, sem exigências de escolaridade anterior. 

Educação é um direito de todos e é um incentivo a sociedade, previsto por lei na Constituição Federal. É com essa base que trabalhamos, incentivando a educação. Os cursos livres e os certificados tem validade para fins curriculares e certificações de atualização ou aperfeiçoamento, não sendo válido como técnico, graduação ou pós-graduação. 

- Meu certificado é aceito pelo CREA, CRC e CRM? 

Conforme citado acima, nossos cursos são de nível básico e livre, ou seja, servem para atualização e qualificação. Todos esses órgãos são de nível superior.

(Fontes: Secretaria de Educação de São Paulo e ABED)

Conteúdo Programático

  • 1. Reação Terapêutica Negativa Parte Teórica
  • 2. Reação Terapêutica Negativa Parte Clínica
  • Paciente Piorou quando devia melhorar - Reação Terapêutica Negativa
Voltar ao topo