Psicopatologia Psicanalítica na Atualidade

Psicopatologia Psicanalítica na Atualidade

Baseado em 2 avaliações
  • 651 Alunos matriculados
  • 03 Horas de duração
  • 2 Aulas
  • 1 Módulos
  • 1 Avaliação
  • Certificado de conclusão
ASSINE JÁ

Obtenha acesso a este e outros cursos

"Didática excelente. Consegui caminhar por todo o histórico da psicopatologia em psicanálise. Obrigada!"
Denise Duarte
mais avaliações

Aula em vídeo de 3h05m. Acompanha material para imprimir em PDF.

Assista em seu computador, Tablet ou Smartphone, onde e quando quiser. A partir do momento da compra você tem 1 ano para assistir esta aula.

Psicopatologia Psicanalítica na Atualidade

OBJETIVOS

Caracterizar a perspectiva psicanalítica sobre a psicopatologia e sua localização em relação ao modelo da psiquiatria sindrômica e organicista e ao da atenção psicossocial

Apresentar as balizas fundamentais da psicopatologia psicanalítica, definindo as categorias nosográficas de neurose, psicose, melancolia e perversão em Freud e seus desdobramentos em modelos contemporâneos

CONTEÚDO

Histórico da noção de psicopatologia e sua codificação no campo da medicina

Problematização das dicotomias saúde x doença e somático x psíquico

Modelos sindrômico e da atenção psicossocial e sua articulação nos cuidados à saúde mental hoje

Modelo de psicopatologia em psicanálise: abordagem clínica, histórica e singularizante sobre o desejo do sujeito no contexto da transferência

Modelos interdisciplinares em psicopatologia na atualidade: a proposta da psicopatologia fundamental

Resgate da noção grega de Páthos: paixão, sofrimento e afetação como meio de elaboração e cura

A psicanálise como terceira via necessária entre o modelo sindrômico e o da atenção psicossocial: o resgate da singularidade do sujeito

Níveis de teorização em psicanálise: metapsicologia, teoria do desenvolvimento, psicopatologia e teoria da técnica

Níveis de caracterização em psicopatologia psicanalítica: descritivo ou sintomatológico, dinâmico e estrutural

Articulação entre desenvolvimento psicossexual e estruturas psicopatológicas: fixação e regressão a fases do desenvolvimento a partir da resolução edípica

A polaridade entre neurose e psicose como balizas fundamentais da psicopatologia psicanalítica

A nosografia freudiana: neuroses de transferência, neuroses narcísicas, psicoses e perversões

Variações na psicopatologia psicanalítica contemporânea: os encaminhamentos nas tradições kleiniana e lacaniana e o modelo de Bergeret

A psicopatologia como operador teórico-conceitual na prática psicanalítica: um esquema referencial para balizar a escuta

A importância de hipóteses diagnósticas na avaliação e condução dos casos clínicos

Bibliografia Indicada

Bergeret, J. et. al. (2006). Psicopatologia: teoria e clínica. 9. ed. Porto Alegre: Artmed.

Berlinck, M. T. (2001) Psicopatologia Fundamental. São Paulo: Escuta.

Birman, J. (2001) Mal-estar na atualidade: a psicanálise e as novas formas de subjetivação. 2. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Birman, J. (1991). A constituição da clínica psicanalítica. In J. Birman, Freud e a interpretação psicanalítica. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1991, p. 135-166.

Birman, J. (2006). A psicanálise e a crítica da modernidade. In J. Birman, Arquivos do mal-estar e da resistência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p. 33-56.

Magalhães, M. C. R. (Org.) (2001), Psicofarmacologia e psicanálise. São Paulo: Escuta.

Dor, J. (1991). Estruturas e clínica psicanalítica. Rio de Janeiro: Taurus-Timbre.

Fédida, P. (1999) Depressão. São Paulo: Escuta.

Freud, S. (1917). Luto e melancolia. In: Edição Standard Brasileira (ESB). v. XIV.

Freud, S. (1923). Neurose e Psicose. ESB v. XIX.

Freud, S. (1924). A Perda da Realidade na Neurose e na Psicose. ESB v. XIX.

Freud, S. (1927). Fetichismo. ESB v. XIX.

Foucault, M. (1978). História da loucura. São Paulo: Perspectiva.

Laplanche, J.; Pontalis, J.-B. (1998). Vocabulário da psicanálise. (4. ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Mezan, R. (2014). O tronco e os ramos: estudos de história da psicanálise. São Paulo: Companhia das Letras.

Violante,  M. L. V. (org.) (2001). O (im)possível diálogo psicanálise e psiquiatria. São Paulo: Via Lettera.

Vaisberg,T. M. J. A.; Machado, M. C. L. M. (1999). Diagnóstico estrutural de personalidade em psicopatologia psicanalítica. Psicologia USP 11(1): 29-48.

Psicólogos

Erico Bruno Viana Campos
"Psicólogo pela Universidade de São Paulo (2002), Mestre (2004) e doutor (2009) em Psicologia pela Universidade de São Paulo."


Psicólogo pela Universidade de São Paulo (2002), Mestre (2004) e doutor (2009) em Psicologia pela Universidade de São Paulo. Professor universitário e psicoterapeuta de orientação psicanalítica. Atualmente é professor assistente doutor do departamento de Psicologia da Faculdade de Ciências da UNESP Bauru, onde desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão, em nível de graduação e pós-graduação, sendo líder do grupo de pesquisa do CNPq "Psicanálise: Clínica, Teoria e Cultura", coordenador do Núcleo de Estudos, Extensão e Pesquisas em Psicanálise (NEEPPSICA) e orientador no programa de pós-graduação em Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem. Tem experiência na área de Psicologia e Psicanálise, com ênfase em História, Teorias e Sistemas em Psicologia e Teorias Psicanalíticas, atuando principalmente nos seguintes temas: psicanálise (metapsicologia, teoria do desenvolvimento, psicopatologia e teoria da técnica), fenomenologia e existencialismo, fundamentos epistemológicos e históricos da psicologia, metodologia de pesquisa, psicologia do desenvolvimento e saúde mental.

Confira algumas dúvidas mais comuns sobre a emissão e validade do certificado: 

- Meu certificado emitido através deste site tem validação do MEC? 

Os cursos autorizados pelo MEC são de Graduação e Pós-Graduação e as Secretárias Estaduais de Edução autorizam cursos técnicos profissionalizantes e do ensino médio. Cursos online são classificados, por lei, como cursos livres de atualização ou qualificação, ou seja, não se qualifica como graduação, pós-graduação ou técnico profissionalizante. 

Os Cursos Livres, passaram a integrar a Educação Profissional, como Nível Básico após a Lei nº 9.394 - Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Essa é uma modalidade de educação não-formal com duração variável, a fim de proporcionar conhecimentos que permitam atualizar-se para o trabalho, sem exigências de escolaridade anterior. 

Educação é um direito de todos e é um incentivo a sociedade, previsto por lei na Constituição Federal. É com essa base que trabalhamos, incentivando a educação. Os cursos livres e os certificados tem validade para fins curriculares e certificações de atualização ou aperfeiçoamento, não sendo válido como técnico, graduação ou pós-graduação. 

- Meu certificado é aceito pelo CREA, CRC e CRM? 

Conforme citado acima, nossos cursos são de nível básico e livre, ou seja, servem para atualização e qualificação. Todos esses órgãos são de nível superior.

(Fontes: Secretaria de Educação de São Paulo e ABED)

Conteúdo Programático

  • 1. Psicopatologia na Atualidade Parte 1
  • 2. Psicopatologia na Atualidade Parte 2
  • Psicopatologia
Voltar ao topo