Interpretação Mutativa - um conceito primoroso.

Baseado em 4 avaliações
  • 666 Alunos matriculados
  • 02 Horas de duração
  • 10 Aulas
  • 1 Módulos
  • 1 Avaliação
  • Certificado de conclusão
ASSINE JÁ

Obtenha acesso a este e outros cursos


"Foi muito clara as explicações! Apenas tive uma má interpretação quanto a mudança estrutural. Parabéns pelas aulas! Vc sempre muito claro nos exemplos! Que ajudam muito! "
Gisele Fermino Demarque Jeronymo
mais avaliações

Aula em vídeo de 2h05 minutos. Acompanha roteiro de aula para ser baixado.

Assista em seu computador, Tablet ou Smartphone, onde e quando quiser. A partir do momento da compra você tem 1 ano para assistir esta aula.

A INTERPRETAÇÃO MUTATIVA

O conceito de interpretação mutativa, apresentado por James Strachey em 1933, transformou-se em um importante marco na história da psicanálise clínica. Foi apenas a partir desse texto que a diferença entre psicanálise e os métodos sugestivos/suportivos ficou realmente clara. 

O artigo de Strachey "A natureza da função terapêutica na psicanálise" tornou-se um dos mais importantes textos psicanalíticos de todos os tempos. Há quem diga que durante muito tempo foi o texto mais lido de todos (com exceção dos de Freud).

A interpretação mutativa é um tipo sutil e impactante de interpretação transferencial que, segundo Strachey, é o único tipo de interpretação capaz de provocar uma alteração estrutural na mente do paciente!

Nessa aula será explicado o que é e como fazer uma interpretação mutativa.

Tópicos

  • Apresentação do assunto.
  • Retrospecto.
  • Transferência.
  • O superego.
  • Introjeção e projeção e a contribuição de Klein.
  • O ciclo vicioso neurótico.
  • O analista como superego auxiliar.
  • A interpretação Mutativa, fases 1 e 2.
  • Interpretação mutativa versus reasseguramento.
  • Urgência e interpretação mutativa.
  • Especificidade das interpretações mutativas.
  • Interpretações extra-transferenciais.
  • Exemplos clínicos.

Bibliografia

  • A natureza da ação terapêutica na psicanálise. James Strachey, 1993. In: ALTER, Revista de Estudos Psicanalíticos, v. 30 (1) 95-122, 2012.
  • Tendo mente própria. Robert Caper. Editora Imago.

Psicólogos.

Guilherme Magnoler Guedes de Azevedo
"Psicólogo CRP 06/70116.. Sócio e fundador da Livraria do Psicanalista e do Instituto de Estudos Psicanalíticos de Bauru. "

   

Psicólogo CRP 06/70116. Sócio e fundador da Livraria do Psicanalista e do Instituto de Estudos Psicanalíticos de Bauru. Mestre em Psicologia do Desenvolvimento e Saúde UNESP - Bauru. Psicólogo Clínico.

Confira algumas dúvidas mais comuns sobre a emissão e validade do certificado: 

- Meu certificado emitido através deste site tem validação do MEC? 

Os cursos autorizados pelo MEC são de Graduação e Pós-Graduação e as Secretárias Estaduais de Edução autorizam cursos técnicos profissionalizantes e do ensino médio. Cursos online são classificados, por lei, como cursos livres de atualização ou qualificação, ou seja, não se qualifica como graduação, pós-graduação ou técnico profissionalizante. 

Os Cursos Livres, passaram a integrar a Educação Profissional, como Nível Básico após a Lei nº 9.394 - Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Essa é uma modalidade de educação não-formal com duração variável, a fim de proporcionar conhecimentos que permitam atualizar-se para o trabalho, sem exigências de escolaridade anterior. 

Educação é um direito de todos e é um incentivo a sociedade, previsto por lei na Constituição Federal. É com essa base que trabalhamos, incentivando a educação. Os cursos livres e os certificados tem validade para fins curriculares e certificações de atualização ou aperfeiçoamento, não sendo válido como técnico, graduação ou pós-graduação. 

- Meu certificado é aceito pelo CREA, CRC e CRM? 

Conforme citado acima, nossos cursos são de nível básico e livre, ou seja, servem para atualização e qualificação. Todos esses órgãos são de nível superior.

(Fontes: Secretaria de Educação de São Paulo e ABED)

Conteúdo Programático

  • 1. Apresentação
  • 2. Retrospecto
  • 3. Transferência
  • 4. O superego e o ciclo vicioso neurótico
  • 5. O analista como superego auxiliar
  • 6. A interpretação mutativa fases 1 e 2
  • 7. Urgência e especificidade da Interpretação Mutativa
  • 8. Interpretações extratransferenciais
  • 9. Quando a interpretação mutativa não tem o efeito esperado
  • 10. Exemplos de Interpretação mutativa
  • interpretação mutativa
Voltar ao topo