Interpretação Mutativa - um conceito primoroso.

Baseado em 6 avaliações
  • 682 Alunos matriculados
  • 02 Horas de duração
  • 10 Aulas
  • 1 Módulos
  • 1 Avaliação
  • Certificado de conclusão
ASSINE JÁ

Obtenha acesso a este e outros cursos

"Aula incrível Guilherme!! Parabéns pelo seu trabalho e dedicação! Foi muito rico e agregou muito para a prática. Ensinar a interpretar é algo dificílimo na minha opinião. Mas vc consegue brilhantemente."
samira davanso
mais avaliações

Aula em vídeo de 2h05 minutos. Acompanha roteiro de aula para ser baixado.

Assista em seu computador, Tablet ou Smartphone, onde e quando quiser. A partir do momento da compra você tem 1 ano para assistir esta aula.

A INTERPRETAÇÃO MUTATIVA

O conceito de interpretação mutativa, apresentado por James Strachey em 1933, transformou-se em um importante marco na história da psicanálise clínica. Foi apenas a partir desse texto que a diferença entre psicanálise e os métodos sugestivos/suportivos ficou realmente clara. 

O artigo de Strachey "A natureza da função terapêutica na psicanálise" tornou-se um dos mais importantes textos psicanalíticos de todos os tempos. Há quem diga que durante muito tempo foi o texto mais lido de todos (com exceção dos de Freud).

A interpretação mutativa é um tipo sutil e impactante de interpretação transferencial que, segundo Strachey, é o único tipo de interpretação capaz de provocar uma alteração estrutural na mente do paciente!

Nessa aula será explicado o que é e como fazer uma interpretação mutativa.

Tópicos

  • Apresentação do assunto.
  • Retrospecto.
  • Transferência.
  • O superego.
  • Introjeção e projeção e a contribuição de Klein.
  • O ciclo vicioso neurótico.
  • O analista como superego auxiliar.
  • A interpretação Mutativa, fases 1 e 2.
  • Interpretação mutativa versus reasseguramento.
  • Urgência e interpretação mutativa.
  • Especificidade das interpretações mutativas.
  • Interpretações extra-transferenciais.
  • Exemplos clínicos.

Bibliografia

  • A natureza da ação terapêutica na psicanálise. James Strachey, 1993. In: ALTER, Revista de Estudos Psicanalíticos, v. 30 (1) 95-122, 2012.
  • Tendo mente própria. Robert Caper. Editora Imago.

Psicólogos.

Guilherme Magnoler Guedes de Azevedo
"Psicólogo CRP 06/70116.. Sócio e fundador da Livraria do Psicanalista e do Instituto de Estudos Psicanalíticos de Bauru. "

   

Psicólogo CRP 06/70116. Sócio e fundador da Livraria do Psicanalista e do Instituto de Estudos Psicanalíticos de Bauru. Mestre em Psicologia do Desenvolvimento e Saúde UNESP - Bauru. Psicólogo Clínico.

Confira algumas dúvidas mais comuns sobre a emissão e validade do certificado: 

- Meu certificado emitido através deste site tem validação do MEC? 

Os cursos autorizados pelo MEC são de Graduação e Pós-Graduação e as Secretárias Estaduais de Edução autorizam cursos técnicos profissionalizantes e do ensino médio. Cursos online são classificados, por lei, como cursos livres de atualização ou qualificação, ou seja, não se qualifica como graduação, pós-graduação ou técnico profissionalizante. 

Os Cursos Livres, passaram a integrar a Educação Profissional, como Nível Básico após a Lei nº 9.394 - Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Essa é uma modalidade de educação não-formal com duração variável, a fim de proporcionar conhecimentos que permitam atualizar-se para o trabalho, sem exigências de escolaridade anterior. 

Educação é um direito de todos e é um incentivo a sociedade, previsto por lei na Constituição Federal. É com essa base que trabalhamos, incentivando a educação. Os cursos livres e os certificados tem validade para fins curriculares e certificações de atualização ou aperfeiçoamento, não sendo válido como técnico, graduação ou pós-graduação. 

- Meu certificado é aceito pelo CREA, CRC e CRM? 

Conforme citado acima, nossos cursos são de nível básico e livre, ou seja, servem para atualização e qualificação. Todos esses órgãos são de nível superior.

(Fontes: Secretaria de Educação de São Paulo e ABED)

Conteúdo Programático

  • 1. Apresentação
  • 2. Retrospecto
  • 3. Transferência
  • 4. O superego e o ciclo vicioso neurótico
  • 5. O analista como superego auxiliar
  • 6. A interpretação mutativa fases 1 e 2
  • 7. Urgência e especificidade da Interpretação Mutativa
  • 8. Interpretações extratransferenciais
  • 9. Quando a interpretação mutativa não tem o efeito esperado
  • 10. Exemplos de Interpretação mutativa
  • interpretação mutativa
Voltar ao topo