Perda e Luto - as 4 fases.

Perda e Luto - as 4 fases.

Baseado em 27 avaliações
  • 656 Alunos matriculados
  • 01 Hora de duração
  • 1 Aulas
  • 1 Módulos
  • 1 Avaliação
  • Certificado de conclusão
ASSINE JÁ

Obtenha acesso a este e outros cursos

"Maravilhosa!"
Maria das Graças Ferreira Lima Freitas
mais avaliações

Aula em vídeo de 54 minutos. Acompanha roteiro de aula para ser baixado.

Assista em seu computador, Tablet ou Smartphone, onde e quando quiser. A partir do momento da compra você tem 1 ano para assistir esta aula.

Bibliografia

                   

                                                PERDA E LUTO: 4 FASES

RESUMO DA AULA

Dra Maria Renata Machado Coelho

                                              Bibliografia Geral

  • LUTO - ESTUDOS SOBRE A PERDA NA VIDA ADULTA . Colin Murray Parkes. Summus, 1998.

  • PERDA - TRISTEZA E DEPRESSÃO (VOLUME III) . Jonh Bowlby. Martins Fontes, 2004.

                         Aspectos psicológicos do luto

  • O luto: é a perda de algo ou alguém significativo.

  • Não está relacionado sempre à perda por morte.

  • Exemplos de luto: aposentadoria, envelhecer, mudar de cidade, perder um amigo, às vezes terminar a faculdade, terminar um ciclo. Toda mudança também está ligada a um processo de luto.

                           Teorias que abordam o luto

  • A Teoria Psicanalítica: que embasou o conhecimento sobre o assunto, a famosa obra de Freud “ Luto e Melancolia”.

  •  A Teoria Comportamental Cognitiva : estresse pós – traumático.

  • A Teoria do Apego foi criada pelo John Bowlby que estuda os efeitos da privação materna e a partir daí estabelece as fases do luto diante da perda.

  •              Teoria na qual nos embasamos

  • A Teoria do Apego

  • Para  Bowlby  o luto do adulto ou adolescente, é o mesmo processo que sofre a criança  na ausência materna. Para o autor, estar próximo a outro ser humano é vital para  a sobrevivência biológica e  psíquica. Esta é a base da Teoria do Apego. Bowlby define a personalidade como sendo formada pela busca da proximidade com o  outro, pela vinculação; então nós vivemos e sobrevivemos por esta vinculação, pelo contato com o outro

  • As fases do luto seriam então, as mesmas da separação mãe-bebê (como experiência primária da necessidade vital do contato e consequente risco pela separação) .

                                                     

As quatro fases do luto

1ª  FASE: Desorientação, Torpor, Negação e Isolamento.

 Momento de grande confusão. O enlutado fica perdido diante da dor que desestrutura, não “sabe” o que sentir ou responder. Está muito presente neste processo a negação. Negação e Isolamento funcionam como uma estratégia psíquica e social de proteção.

2ª  FASE: Anseio e Busca da figura perdida.

 Bowby diz que existe uma explicação biológica para essa fase: a procura, o choro são mecanismos adaptativos de tentativa de recuperação da vinculação da figura perdida.

3ª  FASE : Dor Profunda e Desespero.

 Este é o momento em que o vazio deixado por ele no grupo social e na família fica mais delineado, mais definido.  Fase de intensa dor ,marcada muitas vezes por desmotivação apatia e depressão, que são sentimentos que podem levar tanto ao isolamento quanto a distúrbios psicossomáticos.

 4ª FASE : Reorganização e Re-elaboração.

Pode ocorrer em média, dois anos após a morte (podendo variar bastante). Fase final do processo de elaboração, na qual o enlutado está pronto para “reinvestir em outro objeto”, conforme a psicanálise. A vida vai sendo re-organizada (assim como o espaço interno) e já cabem novos projetos.

           

                                   Luto disfuncional

Luto ausente;Luto postergado; Luto cronificado .

                                   Outro tipo de luto

Luto antecipatório


Psicólogos.

maria renata machado coelho
""


Psicóloga clínica na área Individual, Casal, Família e Luto. Doutora e especialista em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e Mestra em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo . Ex- professora da Unesp e Mackenzie, atua também como Supervisora Clínica no pós graduação do Instituto da Família- FTSA (Londrina).

Publicou, entre outros :” Manual de Orientação Familiar Sistêmica: o projeto papo família na comunidade”. Berthoud, Coelho, M. R. M. V. P. (Org.). Taubate: Casa Cultura, 2011 e

“Ensaios sobre formação e rompimento de laços” Coelho, M. R. M. V. P.; Bromberg, M. H. ; Berthoud, C. Cabral Editora Universitária, 1998.


Confira algumas dúvidas mais comuns sobre a emissão e validade do certificado: 

- Meu certificado emitido através deste site tem validação do MEC? 

Os cursos autorizados pelo MEC são de Graduação e Pós-Graduação e as Secretárias Estaduais de Edução autorizam cursos técnicos profissionalizantes e do ensino médio. Cursos online são classificados, por lei, como cursos livres de atualização ou qualificação, ou seja, não se qualifica como graduação, pós-graduação ou técnico profissionalizante. 

Os Cursos Livres, passaram a integrar a Educação Profissional, como Nível Básico após a Lei nº 9.394 - Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Essa é uma modalidade de educação não-formal com duração variável, a fim de proporcionar conhecimentos que permitam atualizar-se para o trabalho, sem exigências de escolaridade anterior. 

Educação é um direito de todos e é um incentivo a sociedade, previsto por lei na Constituição Federal. É com essa base que trabalhamos, incentivando a educação. Os cursos livres e os certificados tem validade para fins curriculares e certificações de atualização ou aperfeiçoamento, não sendo válido como técnico, graduação ou pós-graduação. 

- Meu certificado é aceito pelo CREA, CRC e CRM? 

Conforme citado acima, nossos cursos são de nível básico e livre, ou seja, servem para atualização e qualificação. Todos esses órgãos são de nível superior.

(Fontes: Secretaria de Educação de São Paulo e ABED)

Conteúdo Programático

  • 1. Perda e Luto - As quatro fases.
  • Luto e perda
Voltar ao topo